Suspeito é preso por enviar molho de tomate em vez de celular aos compradores
foto: divulgação/Polícia Federal

Flagrante

Suspeito é preso por enviar molho de tomate em vez de celular aos compradores

Segurança por Victor Simião em 23/10/2020 - 19:20

Ele foi detido em flagrante pela Polícia Federal em Maringá. De acordo com a investigação, o homem vinha fazendo isso ao longo de 2020.

Um homem de 27 anos foi preso em flagrante pela Polícia Federal em Maringá, norte do Paraná, nesta sexta-feira (23). Ele é suspeito de aplicar golpes pela internet em todo o Brasil. O principal deles envolve a venda de celulares. Só que, em vez de enviar o aparelho, o homem mandava molho de tomate. Mais de mil registros pelos Correios foram encontrados, indicando parte da movimentação do crime.  

A investigação começou em agosto de 2020 após uma série de reclamações e denúncias. Os Correios auxiliaram o trabalho da PF. Aliás, foi em uma agência na cidade que ele foi detido. De acordo com a polícia, o suspeito não negou o crime. 

Ao longo dos trabalhos, os agentes descobriram que desde 2017 o homem vendia celulares trazidos do Paraguai, sem nota fiscal, o que já é crime de contrabando. Por conta do preço abaixo do valor de mercado, pessoas de todo o país faziam compras. Aí, a loja dele conseguiu pontos e reputação, atraindo mais gente -- já que ele de fato entregava o produto solicitado. 

Desde o começo deste ano, entretanto, compradores recebiam no embrulho um pacote de molho de tomate. As reclamações na internet não param de sugir.

Ele agia sozinho e também é indiciado por crimes como venda ilegal de medicamentos, explicou o delegado da Polícia Federal Rodrigo Koehler.

A suspeita é a de que o homem já tenha movimentado milhões de reais dessa forma. 

Na casa dele, nesta sexta-feira,  foram encontrados 200 aparelhos de celulares, eletrônicos e anabolizantes. 

O suspeito deve ser indiciado por crimes como falsidade ideológica, sonegação fiscal e contrabando. 

 

Quer enviar sugestão, comentário, foto ou vídeo para a CBN Maringá? Faça contato pelo WhatsApp (44) 99877 9550