Cultivar Energia evita ocupação irregular debaixo de linhas de distribuição
Fotos: Copel/Divulgação

Sustentabilidade

Cultivar Energia evita ocupação irregular debaixo de linhas de distribuição

Cidade por Luciana Peña em 23/11/2020 - 10:26

O programa desenvolvido há sete anos pela Copel dá segurança às famílias que cultivam hortas comunitárias. Em Maringá, são três hortas comunitárias debaixo de linhas de distribuição.

Debaixo das linhas de transmissão e das linhas de distribuição da Copel não é permitido construir nada e nem plantar árvores. Mas se pode cultivar hortaliças.

Em Maringá, três torres da subsidiária de distribuição da Copel têm no entorno hortas comunitárias.

O terreno não é ocupado aleatoriamente. Existe um convênio para o uso junto à prefeitura e a Copel faz um aterramento no local para garantir a segurança próximo às linhas de alta tensão.


É o projeto Cultivar Energia, que existe há sete anos e neste período tem ajudado as famílias que cultivam as hortas comunitárias.

São três torres: a da Vila Esperança, do jardim Itaipu e do jardim Cidade Canção. Só na Vila Esperança são 40 famílias que receberam na semana passada 2 mil metros quadrados de sombrite, mil metros de plástico próprio para canteiros e 50 regadores.

A técnico administrativa Elisa Nagahama, coordenadora da comissão de voluntariado da Copel, explica como é o projeto. [ouça no áudio acima]

As hortas comunitárias têm uma função social muito importante. Além de garantir a segurança alimentar das famílias que plantam os legumes e verduras, também têm a função de terapia ocupacional, resgatando muitas pessoas de quadros graves de depressão. E para a Copel as hortas ainda evitam a ocupação irregular dos terrenos próximos às linhas de alta tensão. [ouça no áudio acima]

As famílias se alimentam das hortaliças cultivadas e vendem o excedente.