Oliveira Viana não morreu
CBN Maringá

Opinião

Oliveira Viana não morreu

O comentário de Gilson Aguiar por Gilson Aguiar em 03/09/2021 - 08:27

Encontro pessoas que afirmam que o problema do país está em sua origem. A nossa formação nos condena, segundo alguns deles. Os mais apaixonados pela ideia de nossa “falha formadora” se apegam aos elementos de formação original, os afros, portugueses e indígenas. Para alguns, uma mistura ruim que não podia da em boa coisa.

Já tive que ouvir que os nossos maus hábitos são fruto desta herança genética que demonstra a degeneração dos valores sociais. Nossa falta de comprometimento com causas mais elevadas. Nossa mesquinhez de ficarmos apegos as coisas que nos dizem respeito e não elevarmos nossos sentimentos e atenções para a nação. Os patriotas sempre exaltam o modelo dos países anglo-saxões, Estados Unidos em especial, para o contraponto de nossa pobreza patriótica.

Logo, ao nos aproximarmos do Dia da Independência, o 7 de setembro, há os que digam que a democracia não combina com o país. Não temos caráter de aliança partidária, respeito ideológico e sim, segundo os “bem-intencionados”, somos “pobres de espírito”.

Oliveira Viana, pensador brasileiro da primeira metade do século passado, considerava que deveríamos selecionar melhor as pessoas que migravam para o país. Acreditava que determinadas nações, o que na época chamava de “raças”, não faziam bem a composição social. Viana dizia, por exemplo, que os japoneses eram como enxofre, insolúveis.

O pensador, carioca, criticava a ideia de um país multirracial e preferia a eugenia da raça. Não por acaso, foi contra a imigração de judeus fugindo do holocausto. Defendeu arduamente a implantação de um governo autoritário. Resumir a ditadura de Getúlio Vargas, da qual foi defensor, que o partido é o presidente.

As ideias de Oliveira Viana ficaram no tempo e hoje destoam da identidade brasileira predominante. Já, em sua época, muitos críticos do seu pensamento ganharam mais destaque e passaram a demonstrar que as diferenças raciais e a miscigenação não são um mal. Aprendemos, ou deveríamos ter aprendido, que há possibilidades objetivas de desenvolvimento e melhora econômica, independente de nossas origens sociais.

A democracia se mostrou possível e estável. Demonstra ser a forma única de darmos possibilidade de construção de um projeto nacional representativo de inclusão. Aquele que envolva todos sem discriminação e dê oportunidades de expressão a quem faz parte das minorias. Lembrando que não são somente os que são poucos, mas os que tem pouca expressão e precisam ser representados. O que em uma ditadura não teríamos.

As ideias de Viana ficaram no passado? Hoje, há muitos que a retomam como novidade. Logo, Viana é ressuscitado não por ser relevante, mas por dar aos que ignoram uma análise rasa da sociedade, uma explicação fácil em tempos difíceis.

Quer fazer contato com Gilson Aguiar, encaminhar uma sugestão? Envie uma mensagem para o WhatsApp da CBN Maringá. O número é (44) 99877 9550