Infectologista defende isolamento gradual, com abertura de escolas e comércio
Infectologista Luiz Jorge Moreira Neto / Foto: Arquivo

Lockdown vertical

Infectologista defende isolamento gradual, com abertura de escolas e comércio

Saúde por Luciana Peña em 25/03/2020 - 16:52

É o que os especialistas chamam de lockdown vertical. O infectologista Luiz Jorge Moreira Neto é crítico do isolamento social radical adotado em Maringá. 

O médico explica que o correto seria isolar idosos e doentes crônicos, protegendo-os do vírus,  e isolar toda a cidade apenas no pico da doença que, com o lockdown vertical, pode ser de uma semana ou duas. 

O infectologista explica que não há como evitar a contaminação, e quando a população de menor risco é contaminada cria imunização. Quando 70% da população for contaminada e curada da doença, o vírus para de circular. E nesse isolamento parcial, para evitar que idosos que vivem com adultos e jovens se contaminem, basta adotar as medidas de isolamento domiciliar e de higienização.