Servidores municipais reclamam do novo serviço de atendimento de Saúde
Há 10 dias, o Sudamed está prestando serviços para o Sama (Sistema de Atenção à Saúde dos Servidores da Prefeitura de Maringá). | Foto: Reprodução/Sudamed

Sama

Servidores municipais reclamam do novo serviço de atendimento de Saúde

Saúde por Letícia Tristão/GMC Online em 20/01/2021 - 11:57

Demora no retorno ao atendimento é a principal reclamação. A nova empresa assumiu o serviço no último dia 10.

Há 10 dias, uma nova empresa está prestando serviços para o Sama (Sistema de Atenção à Saúde dos Servidores da Prefeitura de Maringá). Nesta semana, o Sismmar (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maringá) recebeu várias reclamações de servidores com relação ao atendimento da empresa. Depois de 12 anos com a mesma empresa, a Sudamed venceu a licitação no ano passado e assumiu o serviço no último dia 10.

Um servidor que preferiu não se identificar relatou à reportagem um caso de demora no atendimento e até de perda de consulta com a troca da empresa prestadora de serviço. [ouça no áudio acima]

Segundo a diretora da secretaria de assistência jurídica SISMMAR, Franciely Medeiros, a principal reclamação dos servidores é com relação ao atendimento. [ouça no áudio acima]

O sindicato afirma que está em contato com a empresa e mediando as situações. [ouça no áudio acima]

Maringá tem quase 13 mil servidores ativos. Considerando os pensionistas, aposentados e dependentes, são quase 36 mil pessoas que utilizam o serviço de assistência em saúde.

Servidores que tiverem dificuldade em contatar o serviço podem entrar em contato com o sindicato pelo telefone (44) 3269-1782.

A reportagem entrou em contato com a empresa que presta o serviço para comentar o caso e aguarda um retorno.

Atualizado 21/01 - 14h18: A Sudamed se manifestou e informou que não tem responsabilidade sobre agendamentos feitos antes do dia 10 de janeiro. Segundo a representante da empresa, Vera Maria Lemes, a Sudamed teria o prazo de 90 dias para assumir o serviço a partir da assinatura do contrato. No entanto, em acordo com a prefeitura, assumiu antes para que o serviço aos beneficiários não cessassem. Com isso, as adequações ainda estão sendo feitas.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura para comentar o caso e aguarda retorno.