Banco de Olhos suspende a captação de córneas em Maringá
Foto: saude.pr.gov.br

Falta de recursos

Banco de Olhos suspende a captação de córneas em Maringá

Por Luciana Peña em 20/09/2019 - 11:36

O problema é a falta de conservantes que são responsabilidade do Estado. Nos últimos meses, a Secretaria de Saúde estava repassando uma quantidade menor do que a necessária. O Banco de Olhos de Maringá é um dos que mais captam córneas no Paraná.

Player Ouça a reportagem

O Banco de Olhos de Maringá comunicou nessa quinta-feira para a Central de Transplantes a suspensão do serviço de captação de córneas. O motivo é a falta de líquidos para a conservação do tecido.  Cada caixa que o Estado repassa para o Banco de Olhos de Maringá, que é um hospital privado, tem 12 tipos de conservantes, o suficiente para seis doações. Mas a cada mês são realizadas de 20 a 25 captações. Ou seja, a caixa dura apenas dez dias e o Estado não estava repondo na quantidade necessária. Só no mês de março, foram 30 captações e o hospital pagou o excedente com os próprios recursos diz a bióloga Islayla Paloma Nunes, gestora do Banco de Olhos.

A CBN entrou em contato com a Secretaria de Saúde do Paraná que só se manifestou por nota.

“A Secretaria de Estado da Saúde reitera que não há qualquer motivo ou justificativa para a interrupção dos serviços e do atendimento à população no Banco de Olhos, ainda mais tratando-se de um assunto de tamanha importância e sensível aos paranaenses. O interesse público está acima de qualquer obstáculo, que eventualmente tenha ocorrido, e que baliza qualquer ação do gestor público, seguindo os trâmites previstos na legislação, dando total transparência e assegurando o zelo pelo dinheiro da população.

A Sesa ressalta também que conta com a colaboração efetiva dos serviços de oftalmologia e que a situação já está resolvida. Nosso compromisso é ampliar o acesso do cidadão aos serviços de excelência do SUS no Paraná, principalmente pela histórica e inédita posição de liderança relacionada aos transplantes no Estado.

Vale informar ainda que a Secretaria de Estado da Saúde está promovendo adequações no processo licitatório do conservante para os tecidos oculares e assim garantir a continuidade do serviço, superando uma realidade que atualmente onera substancialmente o erário, por conta de valores que atendam tão somente os interesses de fornecedores, mas que estão em desacordo com aquilo que é praticado e balizado pela tabela SUS. Para tanto, deixamos o compromisso do governo do Paraná com a busca de um atendimento cada vez mais assertivo na área de saúde, respeitando sempre a legalidade.”.

 

Notícias da mesma editoria