Com ERE, trancamentos de matrículas aumentam em quatro vezes na UEM
Foto: Divulgação/ASC-UEM

Ensino remoto

Com ERE, trancamentos de matrículas aumentam em quatro vezes na UEM

Educação por Victor Simião em 20/10/2020 - 16:47

Em 2019 inteiro, 149 alunos pararam de estudar. Neste ano, já são 728. O Ensino Remoto Emergencial foi adotado para o volta às aulas durante a pandemia da Covid-19.

O estudante e funcionário público Osvaldo Manieri Junior, de 26 anos, colou grau na licenciatura em ciências sociais no começo deste ano, antes da pandemia. Aí, com a chegada da Covid-19, decidiu seguir os estudos em busca da outra habilitação: a de bacharel na área. Ele começou o curso de forma remota, mas desistiu. Segundo Manieri Junior, não foi a mesma coisa.

Formalmente, ele não trancou e nem cancelou o curso. Entretanto até este dia 20 de outubro de 2020 , 728 alunos da Universidade Estadual de Maringá haviam trancado a matrícula. 543 após o dia 16 de agosto, o primeiro do chamado ERE, o Ensino Remoto Emergencial. [ouça no áudio acima]

A medida foi aprovada após muito debate na UEM. As aulas ocorrem de forma online - com um percentual podendo ser gravado. Foi uma maneira de dar início ao ano letivo em meio à Covid-19.

No comparativo com o ano passado, são quatro vezes mais trancamentos de matrículas. Em 2019 todo foram 149, indicando que uma das principais causas em 2020 seja essa forma de aula.

A próprio UEM já disse que ERE não é a melhor maneira, mas o que é possível. Computadores, celulares e chips internet com foram disponibilizados a alunos para auxiliar neste momento.

Atualmente, a universidade tem 14 mil alunos de graduação. As matrículas trancadas representam 5% do total.

A instituição tomou algumas medidas para não prejudicar quem quisesse trancar os estudos. Uma delas foi a de que o ano trancado não irá contar na soma final de tempo máximo de graduação, explica o diretor de assuntos acadêmicos da Universidade Estadual de Maringá, professor Carlos Humberto Martins. [ouça no áudio acima]