Em cerimônia pública, mulher faz denúncia
A mulher que fez a denúncia foi estagiária no Hospital Municipal em 2018 (H. M. Maringá Thelma Villanova Kasprowicz/Ilustativa/PMM)

Constrangimento

Em cerimônia pública, mulher faz denúncia

Por Luciana Peña em 15/05/2019 - 13:03

Uma mulher contratada para distribuir panfletos no Parque de Exposições de Maringá interrompeu o discurso do vice-prefeito durante uma solenidade para denunciar a falta de comida no Hospital Municipal. Segundo ela, em meados de 2018, e durante três meses, faltou feijão para pacientes com anemia, entre outros produtos. O secretário de Saúde rebateu dizendo que uma situação tão grave como essa dificilmente ocorreria sem conhecimento da sociedade, mas prometeu apurar. A situação foi constrangedora.

Player Ouça a reportagem

Era um momento de festa, durante o lançamento de uma campanha estadual na área da saúde. E o vice-prefeito de Maringá Edson Scabora discursava. Em determinado momento elogiou a estrutura de saúde da cidade. Das unidades de pronto atendimento e do Hospital Municipal. Foi aí que uma mulher identificada como Gabriela Bianchi pediu a palavra. E o vice-prefeito permitiu que ela falasse. A jovem contratada para distribuir panfletos no Parque de Exposições durante a Expoingá disse que trabalhou como estagiária no Hospital Municipal e neste período, em 2018, presenciou situações que iam contra o discurso do vice-prefeito. Gabriela disse que faltou feijão para pacientes com anemia e havia pouca carne.

O secretário de Saúde Jair Biatto rebateu. Disse que vai ao Hospital Municipal todo dia e nunca soube de nada parecido com a situação denunciada. O secretário desafiou a denunciante a provar o que estava dizendo.

Após a cena constrangedora Gabriela saiu do local. A reportagem não conseguiu falar com ela. O secretário e o vice-prefeito não quiseram gravar entrevista sobre o assunto. Mas o secretário disse que vai apurar a denúncia para saber se há algum fundamento. O secretário disse ainda que um fato tão grave quanto este dificilmente ocorreria sem que a imprensa e o Conselho Municipal de Saúde ficassem sabendo.

Notícias da mesma editoria