Pesquisa mostra a importância da atividade aquática no combate à obesidade severa
Foto: Tânia Dimas/ Pixabay

Maringá

Pesquisa mostra a importância da atividade aquática no combate à obesidade severa

Saúde por Luciana Peña em 22/08/2021 - 13:25

Uma tese de doutorado do departamento de Educação Física da UEM, realizada por meio do Núcleo de Estudo Multiprofissional da Obesidade (Nemo), acompanhou durante seis meses 13 pessoas com obesidade grau 3, ou seja, com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 40,  e observou os resultados de um atendimento multiprofissional com a prática de atividades físicas, entre elas a natação.

 

A obesidade é um problema de saúde pública. Segundo dados do Ministério da Saúde de 2019, um em cada quatro brasileiros tem obesidade. São 41 milhões de pessoas. 

Em 20 anos, a obesidade no país teve um salto de 26%. 

Em 2018, o SUS gastou um bilhão e 420 milhões de reais para tratar pacientes obesos com hipertensão e diabetes.

Durante a pandemia, a obesidade também se revelou um fator de risco importante para casos graves e morte por Covid-19.

A alimentação saudável e a prática de exercícios físicos são as principais recomendações médicas.

Mas o tratamento da obesidade severa precisa levar em conta uma série de fatores, inclusive psicológicos. 

Por isso a importância do atendimento multidisciplinar. 

Uma pesquisa desenvolvida para uma tese de doutorado da Universidade Estadual de Maringá comprova a eficiência deste trabalho multiprofissional.

A pesquisa foi realizada durante seis meses. Foram selecionados 30 participantes de 358 de um estudo maior.

Dos 30, 13 conseguiram chegar até o final. No meio do caminho, os participantes que desistiram foram vencidos por problemas típicos da obesidade severa como, por exemplo, a dificuldade de locomoção.  

A pesquisa faz parte da tese de doutorado do bombeiro militar Mário Moreira Castilho, pós-graduando da Universidade Estadual de Maringá. 

Ele explica como a pesquisa revelou a eficiência de um trabalho multiprofissional no combate à obesidade severa. [ouça o áudio acima]

Na tese, Castilho também fez uma revisão sistemática da literatura sobre o tema e descobriu que poucos artigos científicos tratam sobre a multidisciplinaridade no tratamento da obesidade. [ouça o áudio acima]

Outra conclusão do trabalho foi o benefício que as atividades aquáticas trazem ao tratamento. Isso porque na água, os pacientes obesos podem se exercitar com menos impacto físico. [ouça o áudio acima]

O estudo foi realizado por meio do Núcleo de Estudo Multiprofissional da Obesidade (Nemo) da UEM. 

Quer enviar sugestão, comentário, foto ou vídeo para a CBN Maringá? Faça contato pelo WhatsApp (44) 99877 9550