Projeto de tetos solares poderia ser bancado com recursos próprios?
Imagem Ilustrativa | Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Maringá

Empréstimo

Projeto de tetos solares poderia ser bancado com recursos próprios?

Política por Luciana Peña em 07/08/2020 - 12:24

É o que questiona vereador. Nessa quinta-feira, a Câmara Municipal de  Maringá aprovou em primeira discussão um empréstimo de R$ 3,3 mi para a instalação de tetos solares em escolas municipais. Prefeitura alega que o empréstimo está condicionado ao subsídio de R$ 5 mi a fundo perdido.

Um projeto em regime de urgência gerou debate na sessão da Câmara dessa quinta-feira. Reportagem de Victor Simião explica que o projeto que autoriza um empréstimo de 3 milhões de reais captado pelo município por meio da agência Fomento Paraná, foi aprovado em primeira discussão.

O dinheiro é para comprar e instalar tetos solares em escolas municipais e com isso economizar energia. As escolas gastam mais de um milhão de reais em energia elétrica por ano.

Nenhum vereador se opôs ao projeto de eficiência energética. Mas o vereador Jean Marques questionou o empréstimo.

Ele quer saber por que a prefeitura tem que pegar dinheiro emprestado, entrar em financiamento que lá na frente pode comprometer a fonte de recursos livres do município, se a Secretaria de Educação tem orçamento milionário.

Não bastaria usar recursos do orçamento? [ouça no áudio acima]

A explicação dada aos vereadores é que o empréstimo seria uma condição para participar do projeto e ter a contrapartida de subsídio da Copel. Um recurso de 5 milhões de reais a fundo perdido. O vereador diz que analisou o edital e não tem nada disso no texto. [ouça no áudio acima]

O secretário de Obras de Maringá, Albary de Medeiros, explica que todos os municípios que participaram e foram selecionados pela Copel com projetos de eficiência energética assinaram um termo de adesão com o Paraná Cidade e também vão fazer empréstimos junto a agência Fomento Paraná. [ouça no áudio acima]

Na próxima sessão, os vereadores devem receber documentos da prefeitura para complementar o entendimento sobre o tema. Por enquanto, o vereador Sidney Telles, por exemplo, está satisfeito com a explicação.