Usado para combater a dengue, malathion não é eficiente
Divulgação/PMM

Será alterado

Usado para combater a dengue, malathion não é eficiente

Saúde por Victor Simião em 12/02/2020 - 19:05

O pesticida foi repassado pela Secretaria Estadual de Saúde. E a própria Sesa diz que não resolve o problema. Em 2015, a Organização Mundial da Saúde classificou o produto como provável cancerígeno ao ser humano.

 

Atualização às 19h10: 

Por meio de nota, o Ministério da Saúde diz que utiliza produtos que seguem padrões da Organização Mundial de Saúde, e que segue as normas técnicas e operacionais mais exigentes. Além disso, o texto destaca que o malathion será substituído em breve, ainda neste semestre. Por fim, o Ministério da saúde diz que uso de adulticida é a última estratégia de combate. A medida mais eficaz é a eliminação do foco de multiplicação do mosquito.

Numa medida que busca reduzir os índices da dengue no Paraná, a Secretaria Estadual da Saúde distribuiu 19 mil litros de um pesticida chamado malathion. Foi recentemente. Desse total, três mil litros vieram para a 15ª Regional de Saúde, no norte do Paraná. E a quantia já foi distribuída para os municípios que solicitaram. 

 

Mas há um X nessa questão. o malathion é um veneno que já não funciona contra o Aedes aegypti. E quem diz isso é a própria Secretaria Estadual de Saúde do Paraná. Em uma nota publicada no próprio site em 07 de dezembro de 2019, a Sesa escreveu que “É importante destacar também que a utilização de produtos químicos para a eliminação do vetor não mostrou resultado, especialmente o Malathion, que foi testado em todas as regiões do país, uma vez que o mosquito já está resistente ao insumo”. 

Ou seja: a aplicação do veneno é mais para mostrar que algo está sendo feito do que uma ação efetiva.

Questionada pela CBN, a Sesa informou que o malathion foi enviado apenas para os municípios que solicitaram às regionais de Saúde. E que os 19 mil litros eram de lotes antigos do Ministério da Saúde. 

Maringá já teve um caso confirmado de morte por dengue. O índice na cidade é considerado alto. 

O chefe da 15ª, Ederlei Alkamin, diz concordar que a efetividade do malathion não é como já foi no passado. Por outro lado, ele afirma ser necessário agir - e quem sabe conseguir um mínimo resultado no combate à dengue. Um novo pesticida chamado Cielo deve ser entregue pelo Governo Federal em breve. 

 

Municípios da região vão passar o malathion usando carros fumacê e bomba intercostal.

Quanto à efetividade do malathion, a CBN entrou em contato por telefone com o Ministério da Saúde, mas ninguém atendeu no final da tarde dessa quarta-feira (12). Um e-mail foi enviado, e até o fechamento da reportagem não havia resposta. 

Em 2015, a Organização Mundial da Saúde declarou o malathion como um produto provavelmente cancerígeno ao ser humano.