UTIs lotadas e hospitais fechando as portas para novos pacientes

Série 2º ano da pandemia

UTIs lotadas e hospitais fechando as portas para novos pacientes

Reportagens Especiais por Luciana Peña em 15/03/2022 - 09:05

Assim começou o segundo ano da pandemia de coronavírus. Leitos abertos às pressas e a rotina  novamente interrompida por força de  decretos sanitários rigorosos.

 

2021 tinha começado com muita esperança. Esperança na vacina contra a Covid-19.

Mas a esperança se misturava ao medo, porque depois das eleições de 2020, os casos da doença voltaram a aumentar. Mesmo assim, muitas famílias se confraternizaram nas festas de fim de ano, reuniram mais gente do que deveriam, e até viajaram. 

A fatura chegou logo depois. Em fevereiro de 2021, os hospitais começavam a lotar.

No final do mês vieram os decretos sanitários que a exemplo do início da pandemia restringiam atividades econômicas. 

O período de validade dos decretos era curto, mas eles foram prorrogados à medida que a Covid-19 avançava. 

E o rigor parecia não surtir efeito. 

Em março, quando a pandemia completou um ano, os leitos de enfermaria e UTI estavam cada vez mais lotados. Uma cena começou a se tornar frequente: hospitais privados fechavam a porta de entrada dos Pronto Atendimentos

Uma  mensagem era afixada na entrada e divulgada em redes sociais: “chegamos ao limite, não temos mais capacidade para atender”. 

O presidente da Sociedade Médica de Maringá, Lucas Eduardo Savóia de Oliveira, relembra a atuação dos médicos neste momento dramático. [ouça o áudio acima]

O número de mortes começou a crescer assustadoramente. Naquela época, os médicos diziam que a taxa de mortalidade numa UTI sobrecarregada podia chegar a 80%.

Todos tínhamos um conhecido, um amigo ou um parente doente, internado.

Eram dias de muito medo. E de luto.  O jornalista Luiz Carvalho faz um retrospecto. Quantas reportagens escritas... Quantos perfis de pessoas que se foram… [ouça o áudio acima]

Enquanto isso, a Secretaria de Saúde do Paraná reorganizava  o sistema para abrir mais leitos às pressas. 

No relatório diário sobre a ocupação de leitos em enfermarias e  UTIs uma situação dramática. Começava  a surgir uma triste fila. E uma fila que dali em diante só cresceria: a fila de pacientes à espera de um leito. {ouça o áudio acima]

No próximo episódio, relembre a corrida por oxigênio e medicamentos para pacientes intubados com Covid-19. 

Quer enviar sugestão, comentário, foto ou vídeo para a CBN Maringá? Faça contato pelo WhatsApp (44) 99877 9550